Para preencher as rugas e paralisar músculos para evitar a forma das mesmas, usa-se uma toxina que pode ser empregada por ótimos resultados. Em casos selecionados pode ser feito também a aplicação dela no pescoço, ao redor da boca e em outras áreas do corpo, como por exemplo axilas, palmas das mãos e plantas dos pés em casos de hiperidrose. Esta técnica também pode oferecer bons resultados em pacientes jovens com sinais iniciais de envelhecimento, naqueles que não desejam a cirurgia e como complementação após o tratamento cirúrgico.

Produzida pela bactéria Clostridium botulinum tipo A, essa toxina é altamente purificada e não oferece risco ao paciente quando as normas e volumes da aplicação são rigorosamente obedecidas. O mecanismo de ação da toxina consiste da paralisação dos músculos que, devido às firmes aderências com a pele, produzem rugas durante a sua contração. Vale lembrar que as rugas finas (que aparecem com os músculos da face em repouso) causadas por alterações na textura da pele devido à exposição solar e ao envelhecimento natural não podem ser atenuadas pela aplicação dessa toxina. Nestes casos, recomendamos a realização de um peeling mecânico (Dermabrasão), a laser ou com ácidos.

Aplicada sob anestesia local em forma de creme ou com gelo, a toxina apresenta o seu efeito máximo após cerca de 2-15 dias (média 7 dias), sendo que a duração típica é de 4-6 meses. Assim como o preenchimento, a aplicação dela pode ser repetida ao longo dos anos.

Atualmente temos realizado a aplicação dessa toxina preventiva em pacientes cada vez mais jovens, visando prevenir o aparecimento das rugas e oferecer um visual facial mais jovem por períodos mais longos de tempo. A ênfase da aplicação dela deve ser sempre manter a naturalidade da expressão, evitando produzir uma face “esticada” e sem expressão.